Partilhe recomende ou vote neste artigo

Garantia de devolução de dinheiro

Termos da política de reembolso

Todos os trabalhos de são Cipriano celebrados neste altar místico de são Cipriano e bruxa Évora são acompanhados de uma garantia de devolução de dinheiro, ou de uma política de reembolso.

Assim sendo:

A garantia de devolução existe para garantir que o altar de santo faz o trabalho de santo conforme de compromete em fazer!, e que o resultado do santo ocorre conforme o ensinamento do santo ensina que é suposto ocorrer, como é suposto ocorrer, e conforme o saber do santo diz que ocorre!

Assim sendo, esta garantia regula-se segundo os termos abaixo anunciados:

Política de reembolsos

A nossa política de reembolsos rege-se pelos 2 seguintes princípios:

1

Se o trabalho do santo for empreendido conforme o ensinamento do santo manda nos termos da nossa fé neste nosso caminho de santo, cumprindo com a instrução –  regra – do santo conforme a professamos, dando seguimento no remedio do santo sem jamais desistir, e sem jamais deixar de persistir no tratamento do santo até ele vencer, então afirmamos que a obra do santo dá sempre fruto!

Pois então:

é isso se pretende garantir através desta garantia de devolução de dinheiro! , pois que se assim não suceder então – de acordo com os termos desta politica de reembolso – o dinheiro será devolvido!

E porem, da mesma forma se diz:

2

Se o trabalho do santo falhar não por culpa do altar, mas sim por motivos de um uso improprio ou inadequado do remedio de santo recomendado, então nesse caso o altar – logicamente – não pode assumir responsabilidade por esse facto, da mesma forma que medico algum pode assumir responsabilidade por ter prescrito o remedio certo!, e porem o paciente ter ido tomar o remedio da forma errada!, ou o paciente ter ido fazer aquilo que o medico proíbe!

Por isso, assim se explica:

Comercialmente dá-se uma garantia de devolução de dinheiro – reembolso – quando um produto comercializado depois de comprado não funcionar corretamente, ou não funcionar da forma que é suposto funcionar!

E porem:

não há quem devolva dinheiro de produto algum, se quem o comprou e levou da loja, depois chegando a casa o danificar, o partir, ou o usar da forma errada, ( assim estragando-o!), pois nesse caso se o produto já não esta funcionando isso não é por culpa do produto, nem da fabrica, nem do comerciante!

Por exemplo:

Você compra um smartphone, e chegando a casa vê que – tendo lidado com ele da forma certa e sem o danificar – o smartphone não está funcionando como devia, nem fazendo aquilo que se espera de um computador.

Então:

nesse caso você vai á loja, e pode devolver o smartphone, e é justo pedir um reembolso! , e você será por isso reembolsado!

Já porem:

Coisa diferente é você chegar a casa e no meio de uma briga atirar com o smartphone contra uma parede!, ou por desleixo entrar com ele numa piscina quando as instruções do produto avisam para jamais meter esse aparelho na água!,  ou por descuido deixa-lo cair ao chão e parti-lo!

Pois então:

nesse caso não lhe assistirá nenhum direito de reembolso!, pois se o smartphone não está funcionando foi por sua culpa ou negligência!,( e não por erro ou culpa do fabricante), pois se não fosse você ter estragado o aparelho então o smartphone estaria trabalhando perfeitamente!, e se ele não está trabalhando então isso não foi culpa do smartphone, nem do fabricante do smartphone, nem do comerciante do smartphone!

Assim sendo:

Garantia de devolução de dinheiro

de acordo com este mesmo principio comercial, eis que se anuncia que a GARANTIA DE DEVOLUÇÃO DE DINHEIRO está sujeita aos 4 seguintes termos:

Não ocorrerá direito de reembolso apenas nos 4 seguintes casos:

1

A desistência dos trabalhos implica que o resultado não sucedeu não por culpa do altar, pois que o altar não teve meios nem oportunidade de concluir o seu trabalho, mas antes foi forçado a cessar o seu trabalho por motivo imputável apenas ao mandante do remedio do santo. Assim sendo: o insucesso nesses casos não ocorre por culpa do altar, mas sim por consequência de decisão alheia ao trabalho do santo. Um médico não pode jamais ser responsabilizado pelo insucesso de um tratamento, se o seu paciente – contra a recomendação medica – desistiu de se tratar!

 

2

O incumprimento de instrução de um tratamento de santo implica que o resultado não sucedeu não por culpa do altar, mas sim por motivo alheio ao altar. Então: se um remedio for tomado errado ou ao contrário daquilo que manda a sua instrução, então ate o melhor remédio do mundo prescrito pelo melhor médico do mundo acabará não curando moléstia, e poderá ate mesmo ter efeitos contraproducentes, assim agravando a moléstia com outras moléstias. Da mesma forma: o trabalho de santo que for tomado descurando na instrução do santo, acabará – logicamente – causando mais mal que bem, e isso não será culpa nem responsabilidade do altar de santo.

3

O incumprimento de pagamentos que permitam realizar o trabalho do santo nos prazos certos e por forma garantir o resultado do santo, significa que o resultado do santo poderá não suceder não por culpa do altar, mas sim por falta de meios para realizar o trabalho do santo conforme ele deve ser oficiado, e nos tempos ou prazos em que ele deve ser celebrado por forma garantir resultado. Então: medico algum pode ser culpabilizado se a pessoa que estava fazendo uma sessão de tratamentos não providenciou os respetivos pagamentos para que esses tratamentos fossem feitos nas datas certas!, pois uma sessão de tratamentos que não é feita nos períodos certos e nos tempos certos, pode acabar não curando o paciente!, e isso não será por culpa nem do medico, nem do tratamento!

4

A recusa em dar seguimento ao tratamento em curso, ou seja: a negação de tomar reforços e remédios adicionais que seja necessário ou refazer, ou renovar  e empreender por forma a garantir um resultado, poderá invalidar o resultado não por culpa do saber do santo nem do empenho do altar do santo, mas sim por falta de recursos para dar seguimento no tratamento do santo. Então: um medico jamais poderá ser responsabilizado se o seu paciente se recusar a fazer tratamentos e tomar remédios adicionais que levariam a uma cura!, e se esse paciente a meio de um tratamento decide largar tudo!, não tomar mais remedio algum!, e ir-se embora!

Em resumo:

Excetuando apenas estes 4 únicos casos – em que o resultado do santo pode não ocorrer por motivos inteiramente alheios ao saber do santo e ao altar do santo! –  então todo o trabalho de santo que for subscrito será reembolsado!, caso não ocorra o resultado do santo conforme o santo no seu ensinamento ensinou que ocorre, como ocorre, e de que jeito ocorre!

Assim sendo:

Dessa forma – e tendo em conta os precisos termos desta política de reembolso –  assim se assegura:

Caso os efeitos do trabalho do santo não sucedam nos termos que o saber do santo ensina e professa, então o reembolso é sempre realizado 120 dias apos reclamação da devolução, e pelo meio indicado pelo altar de santo.

Importante:

A subscrição dos serviços espirituais deste altar de santo pressupõem a leitura, o conhecimento e a aceitação destes termos, não valendo a invocação do seu desconhecimento como forma de anulação destes termos que são públicos e publicamente divulgados no nosso blog.

 

Altar místico de são Cipriano e bruxa Évora © 

Partilhe recomende ou vote neste artigo